17 de outubro de 2016

Série: A luta pela pureza - Contra a lascívia e a luxúria.


Certa vez ouvi de um pregador, que tudo em nossa cultura aponta para o mesmo lugar. Músicas, novelas, programas, cinema, propagandas, moda, tudo está apontando para a mesma direção – SEXO, SEXO, SEXO. Nosso mundo caído tem verdadeira obsessão pelo sexo, mais propriamente, pela imoralidade sexual, visto que o pecado visa a maior perversão de tudo o que Deus criou. Sendo assim, faz-se necessário que nos engajemos em uma intensa luta para proteger nossa pureza.

Nesse primeiro texto da série “A luta pela pureza”, trataremos da lascívia e da luxúria, que são pecados sexuais da mente, aqueles que são consumados na imaginação, no íntimo do nosso ser, e por serem pecados ocultos, pouco se fala, de modo que passam quase despercebidos, e raramente se expõe e se exorta a respeito. E estando encobertos, permanecem no íntimo, maculando e degradando a consciência.

Os pecados sexuais da mente têm por objetivo, levar, de alguma forma, à sua prática externa, porque todo pecado é um processo e, uma vez que tenha nos vencido em nossa mente, ser praticado externamente, é só uma questão de tempo. Antes de continuarmos, no entanto, preciso deixar claro que sentir desejos sexuais não é pecado, pode se tornar pecado o que você fará com esses desejos.

Muitas pessoas têm uma ideia um pouco deslocada do que significa pureza sexual na Bíblia, e pensam que ser pura sexualmente é simplesmente não praticar sexo antes ou fora do casamento. Mas o ensino bíblico quanto à pureza nessa área, não se restringe, meramente, à proibição dessas práticas.

Nosso Senhor Jesus Cristo quando ministrou as célebres palavras, que ficaram conhecidas como “Sermão do Monte”, a certa altura, passou a ensinar o verdadeiro significado e a correta aplicação do mandamento que proíbe o adultério. Ele disse:

"Vocês ouviram o que foi dito: ‘Não adulterarás’. Mas eu lhes digo: Qualquer que olhar para uma mulher e desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração. (Mt. 5.27,28)

O Senhor está expondo a verdadeira interpretação do sétimo mandamento, que havia sido distorcido pelos escribas e fariseus, ao redefinirem seus termos, limitando suas aplicações, de modo que se tornassem mais fáceis de serem obedecidos. Diziam eles, que somente o ato físico caracterizaria o adultério, no entanto, o Senhor Jesus mostra que o mandamento requer a submissão tanto do corpo quanto da mente, pois Deus reivindica o governo sobre todos os aspectos das nossas vidas, incluindo nossos pensamentos, motivações e desejos.

Jesus está condenando, nessa passagem, a lascívia e a luxúria, que são desejos de cobiça com conotação sexual, que fazem alguém cometer em sua mente, não apenas adultério, mas qualquer outro tipo de pecado sexual, como fornicação, prostituição, homossexualismo e outros. São desejos sexuais projetados na mente e alimentados pela imaginação que flui pelos recônditos mais sombrios de nossa natureza corrupta.

​A luxúria e a lascívia nas mulheres, entretanto, é percebida de um modo um pouco diferente dos homens. Conforme explica Joshua Harris:

“A luxúria do homem o leva a separar o corpo da mulher de sua alma, mente e pessoa, e a usá-la em busca do seu prazer egoísta... Talvez, a mulher sinta a tentação de uma maneira similar, mas parece que a luxúria não a alcança de maneira tão natural. O que a alcança de maneira natural é o desejo de intimidade. Então, quando vê um homem sedutor num anúncio publicitário, pode sentir-se tentada a fantasiar com a ideia de ter uma relação sexual com ele, mas o mais provável, é que esta tentação se encontre arraigada numa fantasia de relacionar-se com ele, na qual o prazer físico é um ponto secundário, diante de seu desejo de atenção apaixonada e intimidade emocional.”1

 Ele ainda cita um comentário de uma senhora, que diz:

“Se um casal caminha pela rua e os dois vêem um anúncio publicitário muito sedutor, os dois podem se sentir tentados pela luxúria, mas de diferentes modos. O homem se sente tentado pelo prazer sexual com a mulher do anúncio, enquanto, nós, mulheres, desejamos parecer-nos com a mulher do anúncio, porque sabemos que isso é o que querem os homens”.

As mulheres são tentadas pela lascívia e luxúria ao se exibirem para serem desejadas pelos homens. Isso pode estar presente na mente de uma mulher, fazendo-a imaginar situações em que ela é vista e sexualmente cobiçada por algum homem no qual ela tenha algum interesse, extraindo, assim, algum prazer desses pensamentos. É importante destacar aqui, que não é luxúria sentir-se atraída por um homem (ou um homem por uma mulher), a questão é como lidamos com essa atração. O pastor Joshua ainda nos orienta quanto a isso:

“Não é mal fixar-nos em uma pessoa atrativa, mas é pecado desvesti-la com os olhos ou imaginar o que seria “possuí-la”. Um pensamento sexual que salta em sua mente não é necessariamente luxúria, mas logo pode se converter nela, se o acolhemos e nos fixamos nele.”2

Tudo a nossa volta nos incentiva a nos demorar em pensamentos lascivos e tirar deles todo o prazer possível, filmes com romances doentios ou irreais nos dizendo que precisamos de um amor que nos “devore”; propagandas com mulheres sensuais nos assegurando que precisamos ser "sexy", pois esse é o caminho para sermos o “centro das atenções” e o objeto de desejo dos homens. Erroneamente, essas coisas são vistas como comuns e benéficas, porque fazem bem para nossa estima e para nosso ego. São tantas sugestões e muitas tão sutis, que se passam como inofensivas, mas que estão na verdade, aos poucos, abrindo a porta da fortaleza que deveria proteger nossa pureza.

Deus abomina esses pecados e, por essa razão, devemos levá-los muito a sério e sermos diligentes em nossa luta contra eles.

Depois que o Senhor Jesus deu a interpretação e aplicação correta do mandamento que proíbe o adultério, abrangendo o estado da mente, ele diz que:

“Se o seu olho direito o fizer pecar, arranque-o e lance-o fora. É melhor perder uma parte do seu corpo do que ser todo ele lançado no inferno. E se a sua mão direita o fizer pecar, corte-a e lance-a fora. É melhor perder uma parte do seu corpo do que ir todo ele para o inferno". (Mt. 5.29,30)

É obvio que o Senhor não está aconselhando uma auto-mutilação, mas Ele usa essa linguagem chocante para transmitir o ensino da Mortificação, que é o processo de enfraquecimento e retirada do vigor e poder do pecado em nós. Com isso Ele sugere que medidas drásticas sejam tomadas para que possamos “lançar fora” algo que nos leve a pecar, no caso específico aqui: o pecado da lascívia e da luxúria. Isso pode significar que alguns hábitos precisam ser mudados. Que precisamos ser mais vigilantes e observar quais são as coisas que podem nos levar a cair nesse pecado. O Dr. Lloyd-Jones, escreveu:

“Em cada um de nós existe uma chama; jamais deveríamos aproximar dela algum combustível, porque, se assim fizermos, irromperá um incêndio, e isso provocará graves dificuldades. Não devemos alimentar essa chama...”3

Precisamos nos afastar e afastar de nós, tudo que possa “acender essa chama”. Mas precisamos também encarar esses pensamentos como eles realmente são – abomináveis, odiosos e ofensivos a Deus. Você nunca deve considerar esses pensamentos como normais e toleráveis, mas deve ficar horrorizada todas as vezes que um pensamento dessa natureza surgir em sua mente, e jamais alimentá-los e se demorar neles.

Sejamos solteiras ou casadas, somos chamadas à pureza. Portanto, devemos obedecer o chamado, conscientes de que não há pureza sem luta, mas os frutos são doces e permanentes. O “Grande Prêmio” é o Senhor Jesus! Então, todo esforço para tê-lo mais em minha alma valerá a pena.

Deus nos dê Sua graça, pois a graça tudo vence.

Sonaly Soares
___________________
1Joshua Harris – Garotos e Garotas
2Joshua Harris – Sexo não é problema (Lascívia, sim)
3Martyn Lloyd-Jones – Estudos no Sermão do Monte

28 comentários:

  1. Muito bom o texto! Gostaria de poder copiar para mandar para outras pessoas, mas nesse blog não é possivel! Teria como?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É só vocé clicar em compartilhar e irá aparecer algumas opções.

      Excluir
    2. Olá!

      Como foi sugerido pela Ana, podes compartilhar. É só copiar o link.

      Deus te abençoe!

      Excluir
  2. Texto excelente!
    Amo acompanhar os estudos proporcionado
    Por vocês, que o Senhor continuei abençoado S2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Hildiane!

      Obrigada pelo carinho, nos alegra suas palavras gentis. Que o Senhor abençoe todas nós, Suas filhas, para vivermos para o louvor de Sua glória.

      Um abraço!

      Excluir
  3. Excelente estudo! E de fato a Graça de Deus tudo vence, venceu a cruz e certamente vencerá essa vida! " SENHOR, concede-nos a paz, porque todas as nossas obras tu as fazes por nós" Isaías 26:12

    ResponderExcluir
  4. A nossa luta diária, graças a Deus não estamos sozinhas, podemos contar com a referência da palavra, bem como os instrumentos aqui nesta terra que ELe assim chamou e capacitou. Graça e paz, que esse contexto alcance o coração de muitas moças, Deus as abençoe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Eva, não estamos sozinhas e o Senhor tem derramado Sua graça que nos capacita a vencermos o pecado.

      O Senhor Jesus te abençoe. Um abraço!

      Excluir

Poderá gostar também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...