20 de março de 2017

Há portas que nunca se abrirão


Ainda quando estava no começo da graduação em teologia, eu já tinha certeza que queria me concentrar no campo da Hermenêutica. Sempre tive uma grande inclinação para a área da interpretação, amava interpretar poemas, mas passei a ter mais interesse nesse campo quando conheci um texto superior aos escritos de Shakespeare - A gloriosa Palavra de Deus. O Livro Sagrado. No entanto, não são interpretes da Bíblia apenas aqueles que estudaram Hermenêutica, mas todos que leem a Bíblia são também interpretes dela e algo que acontece, frequentemente, com passagens muito conhecidas da Bíblia é que são interpretadas de modo um pouco (ou muito?) equivocadas, um exemplo disso são os versículos 7 e 8 do capítulo 7 de Mateus, que diz:

"Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta.” (NVI)

A questão aqui é: O que será dado? O que será encontrado? E que porta se abrirá?

A interpretação popular diz que as respostas são respectivamente: TUDO que pedirmos, TUDO que buscarmos e em TODAS as portas que batermos. O “tudo” no sentido absoluto, ou seja, Deus me dará, necessariamente, TUDO o que eu desejar, basta pedir, buscar e bater à porta. Nesse caso, estaria Jesus assinando um documento em branco e deixando a nosso critério redigir o texto?

Essa interpretação é perigosa e pode trazer muita frustração e desânimo para as pessoas que acreditarem nisso. Pois, tais pessoas, podem ir ao Senhor com seus pedidos, os apresentam com fé e são perseverantes, os anos passam, a vida passa e há pedidos que nunca são atendidos deixando essas pessoas amarguradas com Deus e extremamente infelizes. A fé é enfraquecida, porque se Deus disse que daria tudo que nós pedíssemos, então porque Ele não deu? A quem responda a isso dizendo que a razão foi à falta de fé, pois Jesus disse em outra ocasião:

“Por isso vos digo que tudo o que pedirdes em oração, crede que o recebereis, e tê-lo-eis.” (Marcos 11.24)

Há outras passagens em termos semelhantes a esse em que parece, mais uma vez, que Jesus está assinando um cheque em branco, dizendo que Deus fará tudo o que pedirmos se tivermos fé. E mais uma vez o “tudo” é entendido em sentido absoluto.

Se essa interpretação for verdadeira, então as pessoas que pedem e não conseguem é porque elas não têm fé, pelo menos não o suficiente (do tamanho de um grão de mostarda já seria o bastante), logo, a questão estaria simplesmente encerrada. Mas não está, porque há na Bíblia pessoas que pediram com fé e não foram atendidas. O apóstolo Paulo, por exemplo, pediu três vezes para que lhe fosse tirado o espinho na carne (II Co. 12.7-9), e a resposta que teve, não é que por falta de fé ele não foi atendido, mas porque a graça é suficiente e ela se aperfeiçoa na fraqueza, que ele poderia permanecer com o espinho. Pelo visto a razão da negativa não foi fé insuficiente.

Se não é falta de fé, então porque há pedidos que nunca foram atendidos, mostrando assim, uma aparente falta de sintonia do que Jesus disse sobre pedir, buscar e bater com a realidade de muitas pessoas que pedem, buscam e batem, mas nunca conseguem o que pediram?

Na verdade, não há nenhuma falta de sintonia entre o que Jesus disse e a realidade de pedidos não atendidos, a discrepância está no que Jesus falou e a interpretação popular que entende suas palavras como uma promessa absoluta. Observemos, então, uma interpretação mais saudável da passagem considerando suas condições contextuais.

Os termos “pedir”, “buscar” e “bater” indicam persistência na oração. As palavras: “Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta” (Mt. 7.8) , não constituem uma promessa incondicional. John Stott, escreveu:

“É absurdo supor que a promessa "Pedi, e dar-se-vos-á", seja uma garantia absoluta, sem condições; que "Batei, e abrir-se-vos-á" seja um "Abre-te, Sésamo" para todas as portas fechadas, sem exceção; e que ao agitar da varinha mágica da oração todo desejo se realizará e todo sonho se concretizará. A ideia é ridícula. Isto transformaria a oração em magia, e transformaria a pessoa que ora em um mágico igual a Aladim, e ainda Deus em nosso servo, que apareceria instantaneamente quando o chamássemos, como o gênio que sempre apareceu quando Aladim esfregava a sua lâmpada. (John Stott – A Mensagem do Sermão do Monte)

O que Jesus está dizendo, então, é que tudo que pedirmos a Deus e Ele considerar como bom para nós, Ele nos dará, pois após o versículo 8, Jesus faz um contraste entre a bondade dos pais humanos, mesmo sendo pecadores, e a suprema bondade Deus. Ele diz:

"Qual de vocês, se seu filho pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou se pedir peixe, lhe dará uma cobra? Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai de vocês, que está nos céus, dará coisas boas aos que lhe pedirem! (Mateus 7:9-11)

Se os filhos pedem coisas boas aos pais humanos e eles mesmos sendo pecadores egoístas farão o que é bom pelos seus filhos, Deus muito mais. Mas agora pense de outra forma: Se uma criança com fome pede ao pai humano uma pedra para comer, ele dará? Claro que não! Que dirá Deus, então? Se Lhes pedirmos aquilo que Ele sabe que nos fará mal, que trará prejuízos para nossa alma, Ele não nos dará. Jesus está dizendo que o compromisso de Deus é atender aos pedidos que Seus filhos fazem, que estão em harmonia com Sua sabedoria, pois Ele sabe o que é bom para nós. Quanto a isso o Dr. Martyn Lloyd-Jones, escreveu:

“Em minha vida, tal como sucede a todos os outros, com frequência fiz a Deus certos pedidos; tenho pedido que Deus faça determinadas coisas, as quais, na oportunidade, eu muito desejava e cria fossem as melhores para mim. Mas agora, nas atuais circunstancias em que vivo, volvendo os olhos para o passado, assevero que estou profundamente grato ao Senhor por Ele não me haver concedido certas coisas que eu Lhe havia pedido, mas antes, Ele preferiu fechar certas portas diante de mim. Naquelas ocasiões eu não entendi, mas agora entendo e estou agradecido ao Senhor pelo que Ele fez.” (Lloyd-Jones – Estudos no Sermão do Monte)

Entende agora o titulo do nosso texto? Há portas que nunca se abrirão! Deus só abrirá aquelas que nos farão o bem, pense em “bem” como tudo aquilo que contribui para os propósitos de Deus em nossas vidas, não meramente em confortos temporais. Há pedidos que hoje você está fazendo a Deus e que Ele nunca atenderá e isso não é razão para você parar de orar e ficar desanimada, porque se agir assim, você está mostrando que acredita mais na sua sabedoria do que na de Deus, pois como já vimos, Deus não negará bem algum aos Seus filhos, todos os Seus “nãos” é uma demonstração de Seu amor e cuidado paternal. Deus ama demais os Seus filhos para alimentá-los com pedras e cobras. Ele nunca nos fará mal!!! Nunca.

Eu encorajo vocês a continuar orando, como não sabemos o que será atendido e o que não, nos resta colocar persistentemente diante de nosso Pai nossas necessidades, nossos sonhos, nossos projetos e Ele abençoará o que estiver de acordo com Seus planos para nossas vidas e nos livrará daquilo que nos traria ruína.

Eu mesma, só tenho que agradecer por todas as portas que não foram abertas diante de mim. Encerro com uma frase de C. S. Lewis:

“Se Deus tivesse concedido todas as orações tolas que eu fiz em minha vida, onde eu estaria agora?”

Sonaly Soares

18 comentários:

  1. Respostas
    1. Amém, Thaiz!

      O Senhor nos ajude a amar Sua vontade, especialmente, quando é diferente da nossa.

      Um abraço.

      Excluir
  2. Neste domingo, um obreiro ministrou essa passagem. Infelizmente, ele estava um pouco equivocado. Obrigada por esse texto, abriu meus olhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz, por de algum modo, você ter sido esclarecida, Victória.

      Um abraço! E continuemos a persistir em oração.

      Excluir
  3. Respostas
    1. Amém, Marck!

      Que o Senhor continue a nos instruir com Sua bendita Palavra.

      Um abraço!

      Excluir
  4. Respostas
    1. Glória a Deus, Claudinha!

      Que sejamos persistentes em oração, buscando sempre o vontade boa, agradável e perfeita do Senhor para nossas vidas.

      Um abraço!

      Excluir
  5. Que texto!! Edificou muito minha vida e espero que edifique muitas outras pessoas também!!

    ResponderExcluir
  6. Que bencao!!texto muito edificante!!Deus abencoe vcs!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, Patrícia!

      Que o Senhor abençoe sua vida igualmente.

      Um abraço!

      Excluir
  7. Parabéns pela explanação! Em dias de "Evangelho da Prosperidade" e "Triunfalista", é bom ver tamanha sensatez acerca do que dizem as Sagradas Escrituras sobre aquilo que apresentamos ao Pai em oração.
    Permita-se continuar sendo instrumento! Deus abençoe! Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo encorajamento, Ludmila.

      Um abraço!

      Excluir
  8. Glória a Deus que faz todas as coisas segundo a Sua vontade, excelente texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém. Glória somente a Ele por Sua infinita bondade.

      Um abraço.

      Excluir
  9. Muito bom. Louvado Seja Deus! Obrigada. Texto Maravilhoso!

    ResponderExcluir